/ TEIA19 // '#14

O Guardador de Rebanhos

Apoie os artistas





Os poemas que compõem “O Guardador de Rebanhos”, segundo Fernando Pessoa, foram escritos na noite de 8 de março de 1914, de um só fôlego. Esse processo criativo espontâneo traduz exatamente a busca fundamental de Alberto Caeiro: completa naturalidade. Ele se apresenta como um simples guardador de rebanhos, que só se importa em ver de forma natural a realidade, com a qual contada a todo momento. Daí o seu desejo de integração e de comunhão com a natureza, onde o divino se encontra em tudo, nas árvores, nas águas, nos pomares e nas flores. Este trabalho teatral, pinça um dos momentos mais líricos destes poemas e o coloca no universo de um personagem, meio andarilho, meio artista clow, meio poeta, que tenta contar com leveza e doçura a sua saga com o Menino-Deus. “Eu sou um guardador de rebanhos. os meus rebanhos, são os meus sentimentos, sensações e emoções.”

Carlos ABC é ator, diretor e figurinista de teatro, vindo de Piracicaba (São Paulo, Brasil), e vem dar uma vestimenta a esta seleção especial de poemas de Alberto Caeiro.